Ensaio sobre melancolia

Eu sou um saco de melancolia. E concordo com isso. Gosto de cinza e toda sua gama de cores frias. Prefiro um lugar calmo a um vibrante. E não me sinto confortável sob um sol radiante, pois me sinto melhor com a chuva. Placidez em vez de ser errante. Engana-se quem confunde meu estado de espírito com tristeza, até porque não sou; com solidão, porque não gosto; ou com pessimismo, porque condeno. A melancolia flui naturalmente. Dorme na minha cama, vive no meu quarto e usamos o mesmo banheiro. É companheira. Se é ruim viver assim? Não, não mesmo! É escolha. É como árvore que se guarda no inverno: no tempo certo, majestosamente, espalha-se em folhas. Não preciso o tempo todo demonstrar felicidade para provar que sou feliz. Embora, muito provavelmente você me encontre sempre com um sorriso. Quem for sensível, vai entender que a melancolia é um estado emocional estável. Manifesta-se serena, em cores e gestos. Na forma de olhar. Fundamentalmente é o modo de portar-se. Lembre-se, também, que sensibilidade é o mesmo que compreender. E que cada um compreende o mundo do modo que prefere.

3 comentários:

Bia Maia disse...

Simplesmente MARAVILHOSO o que escreveu...
Sabe, também me faz muito bem estar aqui, e fico feliz de sentir sua maturidade através de suas palavras...
Também gosto de cores mais escuras, prefiro dias cinzas à dias de sol, amo a chuva, pouco som...e acho interessante, pois ninguém entende este meu gosto...
Mas não me importo...
E sim, somos responsáveis por nossas escolhas...
E SENSIBILIDADE é O MODO DE COMPREENDER!

Uauuuuuuuuuuu!

Bárbaro!

deixo-lhe beijos meus com carinho!

Bia

Fátima disse...

Me descreveste!...rs

Escrever muito bem.

Beijos

Lucid Nightmare disse...

você simplesmente arrasa, seus textos tem uma essência tão pura e mágica que ao ler, consigo sentir cada paragrafo e compreender o sentido.