Eu ri

"Existe aquela tipo de pessoa que é hiena. O mundo se acabando e ela apenas ri. Ri."



A piada foi para mim, e eu continuei rindo. As pessos não conseguem ver que em meio a tanto caos, tanto drama, devemos procurar felicidade. Há os que se afogam em cerveja, e os que afundam em chocolate; os que se cortam, outros que estudam e os que correm. Eu não, acho graça na situação, é meu jeito de dizer: "É amigo, o mundo está uma merda". As pessoas sofrem, são cobradas, exigidas; têm problemas em casa, no trabalho, no relacionamento; se sentem inseguras e procuram se fechar para definhar menos. E é lógico que eu também sou assim. Construí muralhas grossas e altas ao meu redor, para que ninguém pudesse me ouvir. Fechei minha alma ao mundo. Passei muito tempo assim. Porém, mesmo fechado, não me senti feliz. Percebi que de tanto me cercar, perdi-me em algum corredor. Meu riso é minha fuga. Do que se pode ver de fora, meu riso é a única coisa que uma pessoa que não me conhece pode testemunhar de verdadeiro. De resto, sou falso assim como todas as pessoas no mundo. Mas não tenho inveja e não tenho raiva, confundir alegria com prepotênicia é atestado de cegueira. Mas não culpo, algumas pessoas simplesmente são estúpidas em não compreender ou tentam projetar o mal que sentem para alguém. Quanto as barreiras que ergui? Chão. Agora o mundo me intressa tão quanto estar dentro de mim mesmo. Vou continuar vulnerável seja lá o que vier a acontecer ou sobre como quiserem me interpretar, afinal, qual a graça? E não tenha dúvida: pelo menos um sorriso (sempre) vou ter no bolso.

Um comentário:

Cackau disse...

Bom saber que lhe resta algo tão bom no bolso!!!
Pode ser que precise um dia!
=) volte sempre a cafeteria!