O preço de todos os pecados




















 Foto: © Cesarr Terrio



Está fazendo frio hoje, apesar de o sol estar incendiando meu quarto. É um frio no peito, nas mãos e na alma. Eu não estou preparado, ainda, para ter de guerrear sozinho. De vez em quando sinto-me tão forte! Tão determinado, tão resolvido, mas não sou. Ou fui, não sei. Talvez tenha perdido minha coragem em alguma esquina que passei ou eu realmente nunca tenha me valido de verdadeira coragem. Então e vejo as pessoas apressadas, indo de um lugar a outro, cheias de metas, amarguras e horários a cumprir. Frequentando muito mais filas de banco do que parques. Vejo as pessoas sem sorrir, permitindo-se raramente um sorvete ou uma bala. Eu vejo muita tristeza, no rosto e nos atos das pessoas, embora seja uma blasfêmia falar sobre isso: elas continuam iludidas sobre vidas felizes. Então eu vejo que já estamos no meio da primavera, e ninguém fez estardilhaço, e ninguém plantou uma flor. E vejo, como conclusão, que há decadência em todos os lugares, e somos decadentes também. Vejo, sentado na cama do meu quarto, que não há salvação. Talvez haja, mas como eu vou acreditar nisso se sou mais uma pessoa igual a todas as outras? Deve haver força em algum lugar, não sei onde. Sinceramente, nesse momento, prefiro não lutar, e essa minha escolha de não fazer nada, está me destruindo. Fico estático enquanto posso, em algum momento terei de entrar em cena; não como herói, mas como um homem que tem de sobreviver. Nas ruas existem tantos sonhos atirados nos cantos e nas cercas de arame farpado, tantas pessoas que foram derrotadas e algumas que ainda resistem. Nós fazemos parte das que resistem, eu acho. Será mesmo que vai haver redenção? Que vai haver um final feliz? Eu consigo enxergar a miséria das pessoas, os sorrisos falsos e os corações esburacados. E cada vez mais, vejo que a maioria das pessoas é assim, que o mundo é assim, que eu sou assim. E não quero ser. Eu disse que não quero lutar sozinho, mas é impossível nesse jogo, lutar acompanhado. Luto para ser alguém melhor.

11 comentários:

Jυℓyαnα ツ disse...

Acho que, no final, todos lutamos para sermos melhores.
E esse é aquela eterna batalha na qual por mais que se deseje não se pode ter ajuda...



;*

Pontos de Ligação disse...

Parece que quando olhamos ao redor ninguém se dá conta de que seus passos os levam a um caminho sem volta, e os que vêem, não se importa ou não têm forças pra lutar...
Me identifiquei muito com o seu texto, e mais uma vez você conseguiu me surpreender com suas palavras...

Letícia

Pipa. Agora eu era o herói. disse...

Sim querido. Também vejo as pessoas frequentando muito mais filas de banco que de parques.

Ao lado deles, pessoas como eu e você revirando tambores e mais tambores para ver se encontramos alguma verdade no meio de todo esse lixo. E isso já nos torna melhores, pode apostar.


Te abraço com saudade.
Perdoe as ausências.

Danny disse...

Sim Cris é difícil lutar sozinho... a há de ter redenção à aqueles que buscam serem melhoes... ;)

>>>Quanto aos trechos, são os seus que quero postar. AS fotos do Cessarr Terrio conheci aqui na sua oficina, e realmente muito bom o trabalho dele...conheci graças a ti..

Beijos na Alma

>>Dani

Fátima disse...

Cristiano,
A quanto tempo!, saudade da profundidade de tuas palavras, e na visão da vida que pertence somente a tua idade.

Beijo meu

Charles Roberto disse...

"não como herói, mas como um homem que tem de sobreviver."

E sobreviver talvez seja a nossa única saída neste mundo que em boa parte dos momentos não nos permite viver.

Parabéns pela postagem.

Nini C . disse...

Entendo muito desse frio no peito. Tenho aprendido que as coisas são assim, as pessoas são assim, o mundo tah assim... E a nossa luta é diária e solitária, acho até melhor assim, lutar acompanhado causaria danos em dobro, suponho eu.
Teu blog me falta. Difícil vir aqui agora, sem net =[

Beijo.

Rodolpho Padovani disse...

Acho que essa é uma luta de todos aqueles que não são conformistas para continuar do jeito que está. Eu quero sempre melhorar como pessoa, às vezes permito que lutem ao meu lado, outras vezes prefiro fazer isso sozinho.

Abraços!

Laura Ribeiro disse...

Simples. Direto. Objetivo. Real.
É por isso que adoro sua escrita. É tão gostosa de se ler mesmo que aborde o tema mais triste. Penso que lutar sozinho possa ser penoso sim, mas no final quando se vence tem sempre aquele gostinho de 'eu posso'. Cada um tem uma nova luta a cada dia que surge, então, penso que se nos preocupássemos mais em resolver os nossos próprios desafios, talvez não teríamos tantos espaços escburacados em nossas vidas por ficarmos preocuparmos em lutar pelos outros.

Um beijo.

http://docetortura.blogspot.com

Daniel disse...

Se quiser, nobre amigo de palavras doces, eu empunho uma espada contigo e saio por ai...grandes palavras.
Adorei seu blog, adorei a forma com "que está sentindo" e como "deveria sentir" você antecipa os sentimentos e o pensamento que o leitor, seguidamente, iria concluir. É um blog incrível estimado amigo, e já estou a te seguir. Gostei do rapaz pendurado no lençol, condiz com o que postou. Todavia, não nos enforcaremos ainda, somos jovens. E fortes. Vamos. Vamos mudar.

Abraços nobilissimo ser,

Dan

Kira. disse...

"Em algum lugar a fraqueza é nossa força e eu vou morrer procurando por isso." =)