Dissabor















- Moça, pode trazer outra sopa, por favor?
- O que tem de errado com essa?
- Tá fria, tá insossa demais, e acho que tá azeda.
- Não, não senhor. Essa sopa só recebeu elogios hoje. O fria eu posso até entender.
- Sim, tá fria e tá azeda. Poderia me trazer outra?
- Mas ela só recebeu elogios hoje.
- Eu não vou comer, moça. Tá azeda.
- Senhor, não há problemas com essa sopa.
- Dá para trazer outra, logo?
- Se o senhor insiste, eu troco. Vai querer outra de amor ou de outra coisa?
- Traz o que tiver pronto lá dentro.
- Mais algum pedido?
- Não. Mas não demora muito, por favor, que eu tô com fome.
- É pra já.

   Ela foi, e trouxe-me qualquer coisa.

8 comentários:

Rodolpho Padovani disse...

É isso que acontece quando não sabemos o que queremos... nada nunca tá bom ou nos dão qualquer coisa.

Abraços!

PS: Fico feliz que tenha gostado do final do conto =)

Danny disse...

Tem Selo no meu blog pra ti...
Não é preciso repassa-los se não quiser, mas como disse em outros blogs, indiquei o seu pois é realmente digno...

Jυℓyαnα ツ disse...

Quando nós não sabemos o que queremos de verdade nada ou qualquer coisa se tornam mais que o suficiente...




;*

Guilherme Fraga disse...

Eu fiquei preso ao dialogo, muito bom Cristiano.

Quando não estamos satisfeitos com algo, providênciamos outro.. mesmo que seja insignificante.

Te seguindo

Ariela disse...

Talvez o indiferente seja mais confortável que o objetivo.

Ótimo diálogo.

Fátima disse...

Oi Cristiano,
Se não há amor, vale qualquer coisa...é algo a se pensar.

Beijo meu

Carolyne Mota disse...

Indecisão é o que há. Se não é amor, qualquer coisa também não é muito bom não, melhor esperar chegar a coisa certa, mesmo que demore.

Não lembro se já agradeci pelo selo, caso tenha agradecido, agradeço novamente, rs. Muito obrigada!
Beijo

Nini C . disse...

kkk... Eu rí... E adorei... Nem fala mais comigo no msn =[
Beijos...