Sobre o emaranhado

















Foto: © Cesarr Terrio




Vem cá, olha para mim. Diz se ainda tenho cara de quem já amou ou não. Talvez eu esteja desaprendendo. Mas eu acho que não. Estou acostumado a esconder o que sinto, faço porque sempre fiz, é o que a gente mais sabe fazer. Entretanto, com o amor não consegui. A verdade é que escolhi que seja assim. Mentir para quem? Para você, para mim? Não, não. Veja bem, deixa estar, deixa o amor por aí. Vamos-nos preocupar com as mentiras, estas sim. Porque para mentir sempre há um motivo, e amar, não. Você escolhe o que fazer, sempre escolhe. Com todos os outros sentimentos faça o que quiser. Mas, espera um pouco, senta um pouco, quero saber do que você esconde. Estou curioso. Às vezes penso que o amor está tão batido que não adianta continuar batendo, digo, refletindo sobre ele. Dessa vez, me fala sobre o resto. O que mais você sente? As pessoas são divididas em duas partes: a que ama e a que mais for. Então, me conta sobre o resto. Sobre seu medo, de suas amizades; do que gosta e do que não aguenta; qual sua música favorita e qual sua cor. Tem tanta coisa que agente tem e esquece ter. Somos tão bonitos quando nos olhamos no espelho, sabemos que somos mais fortes do que aparentamos, e que podemos fazer qualquer coisa ou simplesmente ficar em casa sem fazer nada. Por que que não enxergam isso na gente, por quê? São só os defeitos e esse resto que não quero que ninguém saiba. Olha para mim, é paisagem e segredo. Estou abrindo mão de compreender. Tudo bem, pode levantar e ir para casa, se quiser. Mas por favor, tenta explicar. Porque se você se explicar, talvez eu me entenda também. Sinto tudo tão enroscado, tão confuso, tão estranho. Deixei de me entender faz um tempo, entender-se é um ato muito complicado. O que significa sentir tantas outras coisas? Não há respostas em mim, espero que você tenha a solução. Me diz o que mais você sente? Porque, sinceramente, eu só sinto amor.




#Para Côrtes. Ela também não sabe se explicar.

9 comentários:

Pontos de Ligação disse...

Ah, Cristiano que texto lindo!
O amor não se escolhe, não se deixa, não se esquece... Não se vive sem ele... A gente se acostuma tanto a esconder o que sente, mas realmente com o amor não dá, ele exala por entre nossos poros, invade nossa mente e... nos muda!
Sinceramente adorei!
Abraços, querido.

Letícia

Jυℓyαnα ツ disse...

Não existem palavras para se explicar o que sinto.
Mas uma coisa eu já aprendi: o amor não dá escolhas, ele escolhe. Independente do que você tenha em mente ou planejado quando ele surge tudo o mais vira coisa do passado.




;*

olhar disse...

Cristiano, meu menino tão lindo...vem cá...dá uma vontade louca de te colocar aqui do meu lado, te fazer carinho, pois o que você escreve é tão lindo, é tão profundo, que somente pessoas com coração de verdade é que te entendem...e como eu te entendo...e se o que você sente é "só amor"....meu DEUS!!!!não pode ser "SÓ" amor..é AMORRRRRRR....e isto já está perfeito....continue sempre a sentir o AMOR....pois é o que de mais belo pode esxistir nesta vida!!

Um beijo em seu coração gigante!!

Bia

Rodolpho Padovani disse...

E qdo se sente amor não há mais nada que explicar, é só sentir e aproveitar.

Abraços!

A Escafandrista disse...

"Às vezes acho que o amor anda tão batido que não adianta continuar batendo, digo, refletindo sobre ele"... C acha mesmo? Eu acabei fazendo isso noite passada e o resultado foi uma daquelas poesias que não consigo nem nomear, coisas da minha insônia... rsrsrsr
Td bem, Cris??? Tava com saudades de vc lá no blog, sempre muito bom te ver por lá. Bom final de semana, abração!

A Escafandrista disse...

P.S: Esqueci de dizer, tem um versinho na minha poesia que acho que até parece com o seu blog, com o seu "ofício".. rsrs vê lá se vc acha o mesmo... até mais.

Pontos de Ligação disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pontos de Ligação disse...

Só pra te avisar que te adicionei no orkut e estou seguindo no Twitter...
Beijos.

Letícia

Brunno Lopez disse...

Que intenso isso, cara.
'Boas-tardes reguladas por alarmes'?

Isso beira a genialidade.